sexta-feira, 23 de outubro de 2009

Paralelo: Pós-Punk e Indie Rock

No início da década de 80, o Joy Division estourava, e em 1980, o próprio vocalista, Ian Curtis, cometeria suicídio, talvez por estar dividido entre duas mulheres, talvez pela epilepsia, que o atrapalhava cada vez mais, talvez por pressão da banda!? enfim, ali, ele se tornaria um ícone, e o Joy Division, banda rústica e muito down, faria fama. Ouvindo hoje uma banda que conheci recentemente, o The Rakes me lembra a pegada rústica do Joy. Essa é a base do paralelo que quero traçar.

Poucas bandas resistiram tão bem ao tempo, de modo geral, em qualquer vertente do rock. O heavy metal é mais underground? Menos? Acho que a resposta é que: ainda é underground. Contudo, nos anos 70, esse segmento teve seu ápice, e depois, essa vertente desapareceu da mídia. Hellacopters e The Darkness são exemplos de bandas novas seguindo esse som, Metallica é uma banda antiga que ainda não caiu, e o Iron Maiden... bom, anda caindo aos pedaços.

Do pós punk, temos o U2, que pra mim hoje é mais marca que banda, com todo o respeito a quem ama. Acho que o Bono já foi mais cantor e menos político, e não acho One a melhor composição de todos os tempos.

Nos anos 2000, aparece o Strokes, que possui um estilo carregado, diferente da fase zumbi do rock nos anos 90. Lembra do Rolling Stones? Pode não ter influência, mas lembra coisa velha. Olha onde os caras foram!!!

O Kings of Leon recolocou o folk rock no mundo pop, e vem transformando esse som. Hoje há quem diga que é boy's band, mas Only By The Night não tem só Use Somebody, tem Sex on Fire!

O Killers e o Interpol, acredito eu, foram as bandas que mais sugaram dos anos 80. The Killers é um mistureba que deu certo, e a cada cd eles buscam uma influência. Nesse aspecto, são o que David Bowie foi no seu visual: camaleões. O Interpol é muito Joy Division, muito Cure, e extremamente pós-punk, mas isso não quer dizer que não tenham sua própria pegada.

Enfim, o White Lies é puramente anos 80. Sufjan Stevens é Donovan, e apesar de não se encaixar nesse paralelo é bom lembrar dele, pois de fato é o sucessor do Donovan. O próprio David Bowie apadrinhou o Arcade Fire, Franz Ferdinand é o oposto do Joy Division e The Vines é um tipo de reencarnação dos Beatles, antes de a fama subir à cabeça dos fãs.

Resumindo essa parafernalha, o ponto onde quero chegar é que o pós punk influenciou a nova geração do rock, e salvou o próprio gênero do rock do ostracismo. Grande verdade é que nada é puramente original, mas essa reciclagem foi importantíssima, e gera bons frutos há quase 10 anos.

"Tá, mas eu acho o Simple Plan muito melhor, e acho que o Emocore é o futuro do rock!!"

Só uma coisa sobre o Emocore. Me parece uma mistura do punk rock com o gótico. No fim das contas nem protesta nem adentra a escuridão dos seres humanos, e fala muito mais de amor. Sei lá, não é tão Hardcore, é um outro tipo de reciclagem.

Fuck

3 comentários:

Katrina disse...

Cara, post punk never die

SO.L. disse...

Ah, as coisas morrem. Não acho que devamos atar nós para unir passado e futuro. É bonito, mas é nostalgico demais e pouco criativo.

Deixa o rock se recriar. Deixa o punk, o metal, o folk, o glam morrerem. A lápide deles tá por aí, é só ir lá e ouvir.

e s t e r disse...

eu acho o seguinte.. musica é musica..
na realidade só existe dois tipos de música: a boa (a que te agrada) e a ruim (a que não te agrada).
ponto final 8)